logo

Soluções para produtos, sistemas e serviços
em Polipropileno e Polietileno

16 98134 3332
';
Leandro Antonio da Silva

Leandro Antonio da Silva

Empresário

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

A Replass trabalha a mais de três décadas com Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos (PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”).

 

Durante esse período adquirimos grande experiência na soldagem de diferentes tipos de materiais, com aplicações variadas. São vários os fatores que devem ser levados em conta: temperatura de soldagem, limpeza dos materiais, umidade e etc.

 

As técnicas de soldagem podem ser divididas em seis partes:

 

 

 

1 - Soldagem de Termofusão de “TOPO”: 

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de Polipropileno (PPP), Polietileno (PEAD) e Fluoreto de Polivinilideno (PVDF), sendo que o procedimento parte da fusão das extremidades (Tubo X Tubo) ou (Tubo X Conexão) utilizando uma máquina específica para o procedimento, conforme exemplo abaixo:

 

 

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

 

2 - Soldagem de Termofusão de “SOQUETE”:

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de Polipropileno (PPP), Polietileno (PEAD) e Fluoreto de Polivinilideno (PVDF), sendo que o procedimento parte da fusão do tubo com a conexão, utilizando uma máquina específica para o procedimento, conforme exemplo abaixo:

 

 

 

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

 

3 - Soldagem de Termofusão de “Sela”:

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de Polipropileno (PPP) e Polietileno (PEAD), sendo que o procedimento parte da fusão do tubo com a conexão, utilizando uma máquina específica para o procedimento, no qual é feita para realizar derivações, hoje em dia é pouco utilizado. A solda de sela na maioria das vez é utilizada para fabricação de equipamentos e tanques.

 

 

 

4 - Soldagem de Termofusão de “Fio de Solda”:

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de Polipropileno (PPP) e Polietileno (PEAD), sendo que o procedimento parte da fusão do fio de solda igual ao material (PPP X PPP e PEAD X PEAD) que será utilizado para soldagem (Chapas, Tanques, Para-choque de Veículos, Equipamentos e etc)   utilizando uma máquina específica. O procedimento consiste em aquecer o fio de solda e a superfície, onde será realizada a solda, ao mesmo tempo fundindo os dois materiais.

 

 

 

5 - Soldagem de Eletrofusão:

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de Polipropileno (PPP) e Polietileno (PEAD), sendo que o procedimento parte da fusão do tubo com a conexão utilizando uma máquina específica para o procedimento, conforme exemplo abaixo:

 

 

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

 

6 - Soldagem Química:

Esse processo pode ser utilizado na soldagem de CPVC SCH 80 e PVC “U”, sendo que o procedimento é realizado em tubo e conexão (Ponta X Bolsa) fazendo a limpeza das peças com PRIME e após, é passado uma cola especial para determinado material (PVC “U” ou CPVC SCH 80), conforme exemplo abaixo:

 

 

Soldagem de tubos, conexões e equipamentos de termoplásticos PPP, PEAD. PVDF, CPVC SCH 80 e PVC “U”

 

Quais os principais erros no procedimento de soldagem de termoplásticos (PPP, PEAD, PVDF, CPVC SH80 e PVC “U”):

 

  1. Limpeza dos materiais a serem soldados: É necessário que a limpeza dos tubos, conexões e etc. que serão soldados estejam extremamente limpos, pois o material será fundido nele mesmo, qualquer objeto estranho (terra, poeira, graxa, etc) que não seja ele mesmo, pode gerar incompatibilidade da solda, acarretando vazamentos;
  2. Temperatura de soldagem: Cada tipo de termoplástico tem uma temperatura de fusão, portanto ela tem que ser respeitada. Com isso se faz necessário que o equipamento de soldagem seja regulado para cada material, ou seja, se for soldar PEAD é necessário regular de uma forma, se for PPP de outra e PVDF em outra;
  3. Materiais úmidos ou com água: Os processos de soldagem de termoplásticos não toleram nenhum tipo de líquido durante seu procedimento, seja soldagens de termofusão, eletrofusão ou química. Desta forma é necessário estancar qualquer tipo de líquido na tubulação (CASO DE REPARO) e secar as extremidades a serem soldadas (Materiais Novos);
  4. Procedimento de soldagem: Todos os processos de soldagem de termoplástico tem procedimentos normatizados que devem ser respeitados, portanto os equipamentos devem estar bem calibrados, os tempos de soldagem (arraste, pressão e resfriamento) tem que ser seguidos a “risca”, o local tem que atender as necessidade exigidas e etc;
  5. Técnicos Capacitado:  Talvez seja a parte mais importante, pois é um procedimentos simples, assim os técnicos julgam que não precisam se capacitar, treinar e se reciclar para executar a função e na maioria dos vazamentos das soldas existe algum erro de procedimento.

 




Voltar

Comentários

Comentar

Rua Argentina, 1644 | Vila Elisa | Ribeirão Preto/SP | CEP: 14075-470 | Tel.: (16) 3633.5488 | replass@replass.com.br

Trip Propaganda